11 março 2015

SOBRE A CORAGEM...por Osho

Amados!

Encontrei este pequeno texto do Mestre Osho e convido a cada um, dentro de suas próprias crenças e perspectivas, a refletir sobre o tema Coragem. 

Assim como aconteceu comigo, que estas palavras possam ampliar seu mapa mental e enriquecer sua vida.

Com amor fraternal


“A palavra coragem é muito interessante. Ela vem da raiz latina cor, que significa “coração”. Portanto, ser corajoso significa viver com o coração.

E os fracos, somente os fracos, vivem com a cabeça; receosos, eles criam em torno deles uma segurança baseada na lógica. 

Com medo, fecham todas as janelas e portas – com teologia, conceitos, palavras, teorias – e do lado de dentro dessas portas e janelas, eles se escondem.

O caminho do coração é o caminho da coragem. 

É viver na insegurança, é viver no amor e confiar, é enfrentar o desconhecido. 

É deixar o passado para trás e deixar o futuro ser. Coragem é seguir trilhas perigosas. A vida é perigosa. 

E só os covardes podem evitar o perigo – mas aí já estão mortos. 

A pessoa que está viva, realmente viva, sempre enfrentará o desconhecido. O perigo está presente, mas ela assumirá o risco. 

O coração está sempre pronto para enfrentar riscos; o coração é um jogador. A cabeça é um homem de negócios. Ela sempre calcula – ela é astuta. O coração nunca calcula nada”.

07 março 2015

O SENTIDO DA VIDA!!!

Vivemos em um planeta rico de experiências e possibilidades. Mas muitas pessoas se sentem sem rumo, sem conseguirem experimentar alegria ou paz. Sem um senso de realização que faça de suas vidas uma experiência mágica.

Baseada na perspectiva do Coaching, onde a primeira questão que se levanta é o que se quer, eu imagino que identificar intimamente um propósito pessoal , que nos dê rumo, seja o ponto de partida para vivermos uma vida próspera e nos sentirmos realizados.

Filósofos, artistas e místicos do mundo todo despenderam muito tempo buscando a resposta para esta questão: o que faz com que a vida valha a pena ser vivida?

O professor Mihaly Csikszentmihalyi, autor do livro A Descoberta do Flow, desenvolveu uma teoria e propõe uma explicação subjetiva, pessoal: o significado da vida é qualquer coisa que seja significante para mim. 

Afinal, por que considerar que o sentido tem necessariamente conexão com tarefas tidas culturalmente como "importantes"? Por que ser advogado é mais importante do que plantar cenouras ou ser esposa melhor do que dirigir um táxi?

Se alguém ama fazer bolinhos de bacalhau, então esse é o seu barato. É o que dá significado para a sua vida. 

Podemos achar perda de tempo, mas ela gastará horas e horas fazendo isso sem perceber o tempo passar e isso preencherá sua vida de significado, sem que esta pessoa possa explicar o motivo.

O que caracteriza essa escolha é 1) um senso de propósito e 2) autoconhecimento.

Sobre o propósito, um excelente exemplo é a história de Viktor Frankl, judeu que sobreviveu a um campo de concentração. Mesmo em uma das piores situações que se pode imaginar um ser humano, ele encontrava felicidade em sua vida, através do propósito: imaginava como seria dar aulas em faculdade relatando as experiências psicológicas do campo de concentração.

Nesse caso, o propósito geralmente é algo que transcende nosso interesse imediato.

Quanto ao autoconhecimento, é fundamental refletirmos sobre quais as crenças que nos apoiam em nossas escolhas, quais são estas escolhas, por que fazemos o que fazemos e como estas ações nos afastam ou aproximam de nosso propósito e, consequentemente, do viver bem.

Eu concordo com a teoria do Prof. Mihaly que, juntamente com outros pensadores otimistas, imagina uma sociedade na qual as pessoas vivem altamente apaixonadas pelo que fazem, são felizes sendo quem são e por isso sentem imensa reverência por viver.

03 março 2015

PESSOAS TÓXICAS!!!

Amados!

Hoje tive a oportunidade de ler um texto sobre a influência energética perniciosa que algumas pessoas podem ter sobre nós.

Resolvi escrever sobre isso por considerar de extrema importância, especialmente para quem vive nas grandes cidades. 

Essas pessoas recebem, segundo o autor do artigo, o título deste post: Pessoas Tóxicas!

O que são pessoas tóxicas?

São pessoas egocêntricas, manipuladoras, invejosas, interesseiras, arrogantes, rancorosas, amarguradas.

Pessoas assim não conseguem enxergam a beleza da vida nem desejar o bem do próximo. Por sua vibração densa, sombria são capazes de minar relacionamentos com críticas, falta de consideração e respeito, abusos de toda sorte.

São pessoas perigosas de se conviver pois sua vibração desarmônica pode acabar envenenando os ambientes e afetando a quem estiver desavisado ao seu lado. 

Sob sua influência podemos ter comportamentos que em outras circunstâncias seriam completamente diferentes.

Estas pessoas são verdadeiros vampiros energéticos que consomem nossa energia vital e vivem às custas da energia dos outros para se sustentarem.

Os sinais de pessoas assim são claros.

Tóxicas são aquelas pessoas que sabem tudo a respeito da vida das outras pessoas, mas não conseguem administrar a própria vida. 

Sabem dar conselhos como ninguém tem um discurso lindíssimo para o mundo lá fora, mas que não tomam para si os próprios conselhos.

Sabem apontar defeitos, problemas, erros. Mas não conseguem enxergar os próprios problemas ou defeitos.

São os “sabe-tudo” que ingenuamente acreditam que só existe uma verdade no mundo, a sua, e que por isso mesmo não suportam ser contrariados e confrontados. 

Somos sugados energeticamente nesta convivência e a toxicidade reside exatamente no fato de que quem convive ao seu lado não se dá conta de que está sofrendo sua influência.

É importante observar e se autoconhecer. Tomar consciência do processo e uma atitude no sentido de fazer um corte para libertar-se desse laço resgatando sanidade, saúde, alegria de viver.

O grande segredo é não se deixar influenciar, se afastar e evitar a convivência com pessoas assim. 

Isso não significa alimentar sentimentos negativos dentro de si com relação a eles, pois as pessoas tóxicas nada mais são que seres inconscientes de seu poder interno e de sua herança divina de amor e felicidade. 

Por isso eles invejam e manipulam, vivendo tensas, irritadiças, e com isso reforçando um Ego já excessivamente desequilibrado.

O ideal é enviar-lhes pensamentos de amor, visualizando-os mais conscientes, positivos e felizes.

Dessa forma estaremos protegidos dessa influência e ao mesmo tempo contribuiremos para interromper o ciclo negativo sintonizados com energias positivas, pelo bem de todos.

Pense nisso!

01 março 2015

"DESNECESSÁRIOS" - Missão para Pais Conscientes

Os bons pais são aqueles que vão se tornando desnecessários com o passar do tempo. 

Chegou a hora de reprimir de vez o impulso natural de querer colocar a cria embaixo da asa, protegida de todos os erros, tristezas e perigos. 

Quem faz o trabalho direito, tem que se tornar desnecessário.

Ser “desnecessário” é não deixar que o amor incondicional, que sempre existirá, provoque vício e dependência nos filhos, como uma droga, a ponto de eles não conseguirem ser autônomos, confiantes e independentes. 

Prontos para traçar seu rumo, fazer suas escolhas, superar suas frustrações e cometer os próprios erros também. A cada fase da vida, vai sendo cortado e refeito o cordão umbilical. A cada nova fase, uma nova perda é um novo ganho, para os dois lados, pais e filhos.

Porque o amor é um processo de libertação permanente e esse vínculo não pára de se transformar ao longo da vida. Até o dia em que os filhos se tornam adultos, constituem a própria família e recomeçam o ciclo. 

O que eles precisam é ter certeza de que os pais estão lá, firmes, na concordância ou na divergência, no sucesso ou no fracasso, com o peito aberto para o aconchego, o abraço apertado, o conforto nas horas difíceis.

Pai e mãe - solidários - criam filhos para serem livres. Esse é o maior desafio e a principal missão.

Ao aprenderem a ser “desnecessários”, se transformam em porto seguro para quando eles decidirem atracar.

"Dê a quem você Ama :

- Asas para voar...

- Raízes para voltar...

- Motivos para ficar..."

(Texto adaptado de artigo da internet. Autor desconhecido)